Portal Oficial - Instituto Nacional de Estatística
      
 

Preços na produção e no consumidor mantêm trajetória marcadamente ascendente
Síntese Económica de Conjuntura
Preços na produção e no consumidor mantêm trajetória marcadamente ascendente - Maio de 2022
21 de junho de 2022

Resumo

Considerando a informação disponível para junho, o preço do petróleo (Brent) manteve o movimento ascendente, registando um valor médio de 119,3 euros nos primeiros dezasseis dias, o que representa um aumento de 11,3% face ao valor médio de maio.

O índice de preços na produção da indústria transformadora apresentou em maio uma taxa de variação homóloga de 22,9% (22,8% no mês anterior), registando o crescimento mais elevado da atual série. Excluindo a componente energética, este índice aumentou 16,3% em termos homólogos, apresentando também o crescimento mais elevado da atual série (15,7% em abril). Por sua vez, a variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) foi 8,0% em maio, atingindo a taxa mais elevada desde fevereiro de 1993. O indicador de inflação subjacente (IPC total excluindo bens energéticos e alimentares não transformados) registou uma variação homóloga de 5,6% (5,0% em abril), a mais elevada desde outubro de 1994. 

Refletindo em grande medida a aceleração dos preços, os indicadores de curto prazo da atividade económica na perspetiva da produção, disponíveis até abril de 2022, continuaram a revelar crescimentos elevados em termos nominais, ainda que em desaceleração face ao mês anterior. Na indústria, o índice de volume de negócios aumentou 19,7% em abril (26,1% em março), crescimentos nominais indissociáveis do atual ciclo de aumento de preços na indústria (24,7% em abril). Note-se que abril teve 19 dias úteis, menos dois que em 2021 e menos três que em março de 2022, o que poderá ter influenciado os resultados obtidos.

Na vertente externa, o aumento mais expressivo dos preços implícitos das importações de bens comparativamente às exportações traduz perdas dos termos de troca, que se têm agravado nos últimos meses devido sobretudo aos preços dos bens energéticos, contribuindo para a deterioração do saldo externo de bens. 

De acordo com as estimativas provisórias mensais do Inquérito ao Emprego, a taxa de desemprego (16 a 74 anos), ajustada de sazonalidade, foi 5,8% em abril, idêntica aos valores definitivos registados no mês anterior e há três meses (6,9% em abril de 2021). A taxa de subutilização do trabalho (16 a 74 anos) situou-se em 11,2%, mantendo-se inalterada face a março (13,0% em abril de 2021). A população empregada (16 a 74 anos), também ajustada de sazonalidade, diminuiu 0,1% face ao mês anterior e aumentou 3,5% em termos homólogos (variação homóloga de 4,0% em março).

De acordo com a edição de maio de 2022 do Inquérito Rápido e Excecional às Empresas - COVID-19, 56% das empresas respondentes referiram que já tinham alcançado ou ultrapassado o nível de atividade pré-pandemia em maio de 2022. No Alojamento e restauração esta proporção era inferior (37%). Por outro lado, 54% das empresas perspetivam um aumento do volume de negócios em 2022 face ao ano anterior e apenas 14% preveem uma redução. No Alojamento e restauração, esta percentagem de empresas sobe para 75%.


Destaque
Download do documento PDF (651 Kb)
Quadros
Excel Excel (148 Kb)
ZIP CSV (8 Kb)