Portal Oficial - Instituto Nacional de Estatística
      
 

Consumo privado e investimento apresentam reduções menos intensas em outubro. Exportações nominais desaceleram e atenua-se a diminuição das importações
Síntese Económica de Conjuntura
Consumo privado e investimento apresentam reduções menos intensas em outubro. Exportações nominais desaceleram e atenua-se a diminuição das importações - Novembro de 2012
19 de dezembro de 2012

Resumo

Em novembro, os indicadores de sentimento económico e de confiança dos consumidores da Área Euro (AE) voltaram a agravar-se. No mesmo mês, os preços das matérias-primas e do petróleo apresentaram variações em cadeia de -2,7% e -1,3% (-3,0% e -1,9% em outubro), respetivamente.
Em Portugal, o indicador de clima económico diminuiu entre setembro e novembro, interrompendo o movimento ascendente anterior e atingindo o mínimo da série. O indicador de atividade económica, disponível até outubro, registou uma redução ligeiramente menos expressiva, contrariando o comportamento observado nos dois meses precedentes. O indicador de consumo privado apresentou uma diminuição homóloga menos acentuada em outubro, refletindo sobretudo o contributo negativo menos significativo da componente de consumo corrente. O indicador de FBCF diminuiu de forma ligeiramente menos intensa em outubro, em resultado da evolução negativa menos expressiva das componentes de construção e de material de transporte. Relativamente ao comércio internacional de bens, em termos nominais, as exportações e importações registaram variações homólogas de 3,4% e -0,6% em outubro (4,2% e -4,9% no mês anterior), respetivamente.
A variação homóloga mensal do Índice de Preços no Consumidor (IPC) passou de 2,1% em outubro para 1,9% em novembro. Este comportamento resultou da desaceleração do índice da componente de bens, que passou de uma variação homóloga de 1,6% em outubro para 1,2%. Por sua vez, a variação homóloga do índice da componente de serviços estabilizou, mantendo uma taxa de 3,0% nos últimos dois meses. Excluindo a energia e os bens alimentares não transformados, o IPC registou uma taxa de variação homóloga de 1,2% em novembro, mais 0,1 p.p. que nos dois meses anteriores. O diferencial entre a variação homóloga do Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) de Portugal e da AE situou-se em -0,3 p.p. (-0,4 p.p. em outubro).


Destaque
Download do documento PDF (827 Kb)